Energias da Semana – de 8 a 13 de fevereiro

O Podcast Energias da Semana só é possível graças a pessoas como você! Para ajudar o Energias da semana a direcionar a relação de outras pessoas com a comida, seja uma assinante, clique aqui.  

Justiça

Verdade. Integridade. Causa e efeito. Ser responsável pelas próprias escolhas. Equilíbrio. Equidade. Karma. Ética. Consequência. 

Aqui, podemos falar de várias palavras-chave para chegar aos mesmos questionamentos: 

Eu estou fazendo a coisa certa? 

Eu me sinto orgulhosa das minhas atitudes? 

Eu tenho sido honesta?

Eu tenho seguido a vida com integridade? 

Eu tenho agido de acordo com o meu coração e com os meus valores? 

Para responder tudo isso, gostaria de compartilhar uma experiência pessoal.Eu estudei em colégio alemão. E se tem algo que eu aprendi lá é o quanto para eles é forte o tal do o certo é certo. O errado é errado. Mesmo que ninguém esteja vendo. 

Não tem o famoso “dar um jeitinho”. É ou não é. 

E, com o meu EU virginiana, nesses tempos em colégio alemão, eu virei uma expert em seguir as regras. 

Lá tinha até a meia com a marca do colégio. Ou você usava ela ou era meia branca. Eu não topava meia colorida nem nos dias que eu ia de calça. Vai que em algum momento de descuido, quando eu estivesse sentada, a barra da calça subia e alguém visse minha meia favorita de cupcakes? 

O fato era: eu sempre fui muito boa em seguir o que os outros definiam como certo e errado. E uma péssima questionadora das regras. 

Eu só recebia o “é pra fazer assim” e seguia. Sequer tinha coragem de questionar o porquê. Meu medo em parecer que eu estava confrontando aquela decisão sempre foi enorme e mesmo que algo dentro de mim não se sentisse confortável com as decisões tomadas, eu apenas seguia, já que alguém, que eu considerava uma autoridade – fosse professores, mãe, pai ou algum adulto que eu achasse com mais experiência de vida do que eu – tinha decidido assim e ponto. 

Só que à medida que eu fui crescendo, vi que no fundo, tinha muita coisa da minha vida que eu não estava confortável com a forma que eu estava levando. Vi o tanto que algo que inicialmente parecia só ter efeito no colégio, tinha impactos em TODAS as áreas da minha vida. 

E, putz, COMO DÓI IR CONTRA SI MESMA! 

Mas dói de um tanto que eu não sei nem explicar! É uma dor de revolta. Sabe quando a gente está assistindo BBB, vê uma das pessoas agir de forma completamente incoerente e tem vontade de levantar e falar “o que você está fazendo?” 

Pois é, só que como você grita com você mesma e fala “Ei, Mari! Essa personagem aí que você virou agora não faz o menor sentido! O que que tá rolando? 

Anos de terapia, passar dos 30 (na verdade dos 35) e muitas experiências me fizeram ser muito mais fiel aos meus valores. E principalmente perceber que por muitos anos da minha vida eu criei as minhas prioridades em cima do que eu achava que os outros queriam de mim, ou seja, da expectativa de terceiros. 

Mas e eu? Onde eu ficava nessa confusão toda? 

Sim, a vida é feita de prioridades. E não vem me dizer que a gente dá conta de tudo, é só querer, porque esse discurso de Mulher Maravilha, Superpoderosa porque essa é a última coisa que eu quero ouvir no dia que eu gravo esse podcast, também conhecido como Dia da Mulher. 

Hoje em dia, eu chamo meus valores de MEUS INEGOCIÁVEIS. 

Eles não são nada escrito em pedra, podem mudar ao longo do tempo, mas criei depois que vi que a cada vez que eu desrespeitava algo que eu acreditava, acabava me desrespeitando fisicamente também, com comida. 

Foi necessário tirar máscaras e máscaras de mim, personagens e personagens até entender que a cada vez que eu deixava um valor meu para trás, eram calorias a mais que entravam desnecessariamente em forma de alimentação nada saudável no meu corpo. 

Consigo ver claramente uma relação de causa e efeito, sem nenhum tempo de atraso, sabe. Parece um hábito tão automático como escovar os dentes antes de dormir. Nem preciso pensar, desrespeitei meu valor, em dois segundos eu estou lá, comendo, mesmo que sem fome, comidas super calóricas e que nada têm nada me nutrir. 

Sabe o famoso gentileza gera gentileza? Pois é, o desrespeito com nós mesmas também gera outros tipos de desrespeitos. Será que você não consegue descobrir um padrão por aí também? 

As outras duas cartas que saíram antes foram o 4 de Materiais e o 10 de Vozes, mas esses conteúdos são exclusivos para assinantes. Clique aqui para fazer parte!

0
Post criado 316

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo